in love

Love Grenades. Já ouviu falar?

Banda delícia de Los Angeles. E com uma vocalista poderosa chamada Liz:

conheci através da Carla, amiga querida radicada em LA. Ouça, ouça, ouça já

Uma resposta

  1. Renata, oi, tudo bem?
    Só para você entender meu ponto de vista, para mim deixar o livro disponível na internet não é sinônimo de nada, mesmo porque a disponibilização pode também ser uma forma de marketing. O que discuto é disponibilizar a cultura do pixo para os mais abastados em um livro só com fotos, fazendo com que a pixação torne-se produto-fetiche, artigo colecionável para um grupo social que não entende como é e do que se trata a pixação, distorcendo assim esta cultura. Como você viu, o livro traz poucos textos para que o leitor tenha uma visão mais correta sobre o que é a pixação. Além disso, poucos pixadores vão baixar o livro pela internet – assim como poucas pessoas tb. Afinal, elas querem TER. A discussão não é sobre colocar disponível a informação, mas de que forma, por quem e para quem. Será que realmente o livro (físico) está disponível para todos? Qual o objetivo do livro? O que ele passa? Então o que discuto é pegar essa cultura da periferia e colocá-la à disposição de pessoas que vão comprar o livro como produto-espetáculo, pois agora a pixação vai ser a bola da vez, sendo que os próprios pixadores não podem comprá-lo.
    Só para deixar claro, admiro e respeito o Boleta por sua arte (a qual gosto muito), sua história no graffiti e na pixação. Além disso, ele é gente boa. Torço para que ganhe dinheiro com o que tem de talento e de conhecimento. Infelizmente, como você mesma disse, ele não ganhou nada, enquanto a galera endinheirada pode comprar o livro para se mostrar como “descolado” ou “antenado”. Qual o preço a pixação está pagando por isso? Cair na boca da sociedade intelectualizada como algo bacana, enquanto 99,9 % os pixadores nem sabem o que é ser “moderno” no sentido mais fashion do termo.
    Quanto ao pixador que está fazendo o filme com o Jõao Wainer, ele é meu amigo. Sempre conversamos, ele respeita minhas opiniões e eu respeito as dele, embora nem sempre concordemos.
    Para você ver como é a vida: 4 dias depois conversei com ele e minha opinião sobre várias coisas escritas ali mudou. Mas agora já está publicado. Mas prefiro ser uma metamorfose ambulante.
    beijo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: