por uma vida menos ordinária

aff

tem um post bacana no forno

presa no aeroporto a vontade de escrever cai vertiginosamente

voltamos já já

Kid Cudi

Uma maneira de não explodir com a quantidade de informação que você procura é dividí-la.

O divertido é que não faço idéia como cheguei ao blog que me passou essa, o Kidz by Colette.

Achei essa no G.Reader, compartilhei. Passei para os amigos por e-mail, para saber se alguém mais conhecia. Acho que não. A festa de lançamento do mixtape foi no sábado, dia 17. Como eu queria ter estado lá.

Kid Cudi, direto de NY (aqui numa faixa fuofa)

12-kid_cudi-pillow_talk

ooops

sim, eu fiz de novo, fiquei um tempo sem aparecer por aqui. Culpa da Grécia e dos milhares de trabalhos que tento ordenar quase que simultaneamente. Antes de contar mais da grécia, da vida, vou contar do blog sobre cabelos que estou fazendo para a wellaton: Bad Hair Day. Passa lá!

Tv e internet, o que vem por aí

Especula-se sobre o futuro da Tv e da Internet. Corre junto, separado, em paralelo, lado a lado? Viver no meio da revolução dificulta descobrir a trajetória do tiro. E convenhamos, o Brasil é o país onde mais bala perdida acerta alvo.

Para começar a brincar de futurologia, quando se fala de internet na Tv e tv na internet não se abrange só tecnologia mas (muito) de comportamento do internauta. Ao mesmo tempo que temos à nossa disposição aparelhos convertidos para a tal TV Digital, telas enormes de tv que, plugadas no computador, se transformam no monitor dos sonhos (seria esse o motivo dos franceses estarem assistindo mais tv via internet como saiu em nota outro dia?, e ainda a tal capsula do tempo, um HD externo de um tera para que você baixe e armazene todos os seriados que seus torrents te permitirem.

Mas hoje quem está plugado nessa história em real time é uma pequena parcela dos que navegam. São aqueles que já sabem da banda larga, do laptop, do wireless, de todas as possibilidades se oferecem a cada dia. Agora um novo público chega à rede querendo descobrir do que se trata esse tal mundo virtual:  Michel Lent falou em entrevista para o Urbano “as classes C e D estão comprando seus primeiros desktops agora. E assim temos uma nova explosão no orkut, coisa que aqueles ligados em tecnologia se conectaram há mais de 4 anos e que hoje deixam meio de lado”. Outros efeitos como ele cita no seu “Viu Isso?” são a volta do crescimento da conexão discada e diminuição do tempo médio de permanência online.

Quando se fala no mundo hipotético de TV digital, internet na TV e Tv na internet, pensa-se num perfil de usuário que navega, grava, baixa e aproveita o que esses mecanismos podem oferecer. Seria o telespectador  de TV com o “modus operandi” do usuário de internet. E é aí que fica a minha grande pergunta de agora, para aproveitar a experiência por completo o comportamento não pode ser do expectador de TV, um veículo passivo. E como passamos esse gene para frente há gerações para essa mudança acontecer em massa é necessário disseminar a informação e a educação. Que, como todos nós sabemos, são o ponto forte de investimento do governo brasileiro há décadas. Enfim….

Não sabendo o que e como procurar, o círculo se fecha de volta na passividade televisiva. E aí, quando nada mais te resta, onde você e o Abadía param? Sim, nos canais de compra… quem nunca madrugou com o medalhão persa que atire a primeira pedra! Ou então reproduzindo de forma melhorada a vida que você tem off-line no mundo on-line, através das redes sociais. Sempre me surpreendeu sermos os primeiros em Orkut, Fotolog e o que mais surgir.

Falando com MarcoAurélio sobre o 2nd Life, antes de virar filial do parque de exposições do anhembi. Havia uma verdade muito forte para ele, a de que aquelas pessoas que eram de um jeito  e faziam avatares de outro realmente queriam ser aquilo, aquilo era o que eles viam por trás da casquinha que a vida off line encapava-as.

Já a tv sempre muda algum filtro, sem deixá-lo explícito como um avatar. Será que esse filtro se transferirá para a rede integrada?

O número de canais de Tv na internet têm crescido bem rápido. Parece que foi ontem que recebi o convite do Joost, na época que ainda era necessário ser convidado. Depois descobri a VBS , que amo até hoje e que muito se aproxima do que gostaria de fazer. Perguntei para o Gil Bárbara se ele achava isso possível no Brasil, quem bancava, como se ganhava dinheiro com isso. A resposta foi uma grande interrogação. A VBS é bancada pela mesma empresa que custeia a VICE Magazine, que nunca chegou ao Brasil. Será que esse modelo funcionaria por aqui?

E quase esqueci da Pitchfork Tv e da TV do Rraurl, e do programa que o Renato Lopes está comandando no You Tube (See the Sound), o Isofa, mas ainda não sei exatamente como funciona. Pelo jeito todo mundo corre para fazer tv na internet, mesmo sem saber no que isso vai dar.

André Pase e mais alguns professores de mídias digitais da faculdade de comunicação social (FAMECOS) da PUC/RS engrossam o coro da discussão no Tv+Internet . Dá para acompanhar e palpitar na discussão e ver o que está sendo feito em termos de convergência de mídias.

E acaba por aqui esse post….achou que fosse ter uma conclusão?
Bem…vá você descobrir e brincar de futurismo mental também…

casa nova

blog novo é assim, ainda em fase de adaptação.

faltam alguns links…

falta decidir se é melhor colocar as fotos pequenas ou em thumbnail

a única coisa que não falta (gracias) é vontade de postar

finalmente

encontrei. O dito. O nome.

“Avenida de Escândalo” foi uma expressão que um pixador usou num documentário que está sendo produzido (e que participo como ouvinte*palpiteira*apoiadora oficial). Quer dizer a rua mais movimentada, aquela que todo mundo conhece, onde não dá para não ser visto.

Bem vindo à avenida de escândalo. A rua mais movimentada de Renatalândia!

bom, agora não tenho mais desculpa, hora de voltar a postar…